O governo da Turquia assinou um acordo com Suécia e Finlândia para apoiar a entrada dos dois países nórdicos na Otan.

“A Turquia obteve conquistas importantes na luta contra organizações terroristas. A Turquia obteve o que queria”, afirmou a Presidência ?turca, sem oferecer detalhes.

Funcionários da Otan disseram que não houve um acerto detalhado de nomes de opositores a serem extraditados, por exemplo.

“Tenho o prazer de anunciar que agora temos um acordo que pavimenta o caminho para a Finlândia e a Suécia aderirem Otan”, disse o secretário-geral da aliança, o norueguês Jens Stoltenberg.

Desde que se estranhou com os EUA na gestão de Donald Trump e se aproximou do presidente russo, Vladimir Putin, Erdogan pagou um preço militar.

Resta saber agora o impacto do apoio na relação boa mas com rivalidade entre Erdogan e Putin, que se estende por cooperação militar e energética.

O líder russo, após algumas ameaças por parte de membros de seu governo contra Finlândia e Suécia, acabou baixando a retórica e usando a adesão como instrumento de seu discurso de que a Otan se coloca de forma agressiva contra as fronteiras russas -um dos motivos declarados da invasão da Ucrânia era o de exigir neutralidade de Kiev, impedindo a chegada de forças ocidentais sua maior fronteira a oeste.

Este artigo foi resumido em 69%

Originalmente Publicado: 28 de Junho de 2022 às 15:59

Fonte: Uol.com.br