Considerando apenas verbas do Fundo Eleitoral e do Fundo Partidário, Bolsonaro recebeu 5% do valor total destinado pelo seu partido, o PL, até o momento para todos os candidatos.

Ciro recebeu 18% do partido; Tebet tem 9%. Distantes dos dois primeiros colocados nas pesquisas de intenção de voto, Ciro Gomes e Simone Tebet também receberam mais dinheiro dos seus partidos do que Bolsonaro.

Candidata do União Brasil, partido com maior fatia do Fundo Eleitoral, também tem mais dinheiro público para a campanha que o atual presidente: R$ 22,1 milhões.

“O PL, o MDB e o União, diferente do PT e do PDT, para eles talvez seja tão ou mais importante que a Presidência fazer bancada para deputado federal”, acrescenta.

A situação do PL diferente da dos demais porque o presidente Jair Bolsonaro um candidato mais competitivo, ao contrário de Tebet e de Soraya que aparecem distantes dos primeiros colocados.

“O PL um pouco diferente, era um partido pequeno, ficou grande com a entrada do Bolsonaro e de diversos parlamentares, e de antemão já se sabia que não ia ter recursos para todo mundo”, afirma.

Como a divisão do Fundo Eleitoral baseada no número de deputados e senadores eleitos por cada partido político em 2018 e desconsidera as mudanças nas bancadas ocorridas ao longo dos últimos quatro anos, o PL aumentou de tamanho, mas sem crescer em quantidade de verba disponível.

Este artigo foi resumido em 68%

Originalmente Publicado: 25 de Setembro de 2022 às 12:31

Fonte: Globo